Hérnia Inguinal

 

A hérnia inguinal ocorre quando parte do conteúdo intra-abdominal atravessa um ponto de fraqueza ou ruptura do abdome na região das virilhas formando uma protuberância no local. Esse conteúdo herniário geralmente é formado pela gordura intra-abdominal ou intestino delgado.

Os homens têm 27% e as mulheres 5% de chance de desenvolverem uma hérnia inguinal no decorrer da vida. A bilateralidade ocorre em 22% dos casos.

A causa dessas hérnias esta associada a uma fraqueza da musculatura abdominal na região, sendo a apresentação mais comum em idosos. Ou o não fechamento do anel inguinal interno ainda na idade fetal, sendo a forma mais comum em adultos e crianças.

A queixa mais comum é a dor no local da protuberância associado aos esforços físicos e sua tendência se não tratada é aumentar com o decorrer do tempo, porem podem apresentar-se simplesmente como um abaulamento indolor no local da virilha.

As complicações que podem ocorrer nestes tipos de hérnia são o encarceramento e o estrangulamento, isto é, quando ocorre uma torção do conteúdo herniário podendo levar a necrose e rompimento do intestino, neste caso uma emergência cirúrgica grave. Por causa disso, quando o médico diagnosticar uma hérnia inguinal, ele ira sugerir ao paciente que realize o tratamento cirúrgico o quanto antes afim de minimizar o risco dessas complicações.

 

Hérnia Femoral

 

São hérnias que também se formam na região da virilha devido ao alargamento de uma estrutura chamada canal femoral. São mais comuns em mulheres, principalmente aquelas que tiveram muitos filhos. Apresenta um risco maior de complicações e portanto devem ser operadas o quanto antes.

 

Diagnóstico

 

O exame clínico com palpação no local da hérnia costuma ser o bastante para realizas o diagnóstico na grande maioria dos casos. Em algumas ocasiões em que há dúvida diagnóstica como em pacientes obesos ou com hérnias muito pequenas pode ser necessário um exame de imagem como ultrassonografia ou tomografia computadorizada.

 

Tratamento para a Hérnia Inguinal e Hérnia Femoral

 

O único tratamento para hérnias inguinais e femorais é a cirurgia.
A partir do século 19 foram desenvolvidas as primeiras técnicas cirúrgicas para tratamento das hérnias e consistiam na aproximação dos músculos sobre o local da ruptura, infelizmente a falha do tratamento com retorno dos sintomas ocorria em até 25% dos casos.
Nos anos 70 ocorreu a primeira grande evolução no tramento das hérnias com utilização de telas feita de material sintético sobre o local da ruptura. A tela forma um foco de fibrose impedindo que o conteúdo abdominal protrua e a falha da técnica como mostraram estudos subseqüentes foi menor que 1%. Esta é a técnica mais utilizada até hoje. Nesta cirurgia o paciente deve manter repouso após a cirurgia e evitar esforço por 2 meses para que a tela não se solte e ocorra falha do tratamento.

 

Tratamento Laparoscópico e utilização de materiais especiais

 

Há alguns anos foi desenvolvido a técnica de correção para hérnias inguinais e femorais por acesso videolaparoscópico.Nesse tipo de cirurgia a correção da hérnia pode ser realizada com apenas 3 pequenas incisões na pele entre 0,5 e 1 cm ao invés da incisão tradicional de 8 cm. Além da vantagem estética, a recuperação é mais rápida e menos dolorosa.
A maior vantegem dessa técnica em relação ao tratamento tradicional está no fato de o paciente poder retornar a atividades normais precocemente sem necessidade de evitar esforço por alguns meses, isso ocorre pois nessa cirurgia a tela é fixada por trás da parede muscular, portanto o esforço faz com que ela fique ainda mais presa ao invés da soltar-se.
Vale mencionar ainda sobre o desenvolvimento de telas especiais com formato tridimensional que se encaixam anatomicamente na região inguinal, necessitando de menos grampos para serem fixadas e desta maneira causando ainda menos dor.

 


Especialidades: